Da esperança e suas ilusões

O que há em comum entre Élisée Reclus, Milton Nascimento e Fernando Brant? A nosso ver, uma das respostas possíveis passa pelo imaginário criado em torno da imigração para as terras brasileiras. Sendo assim, na tentativa de conferir sustentação a este argumento, iniciaremos o debate a partir das considerações de Reclus (1862). Em sua obra “O Brasil e a Colonização”, o geógrafo francês demonstra que, em meados do século XIX, o imigrante era visto por muitos políticos brasileiros como uma força-de-trabalho imprescindível na promoção do desenvolvimento econômico do país[1]Não por acaso, a propaganda imigrantista era um dos recursos mobilizados na tentativa de atrair tais trabalhadores. 

Segundo o autor, os agentes recrutadores enviados a Europa desempenhavam um importante papel persuasivo:

Suas circulares, suas brochuras, disseminadas em profusão, faziam brilhar nos olhos dos cultivadores oprimidos pela necessidade a perspectiva de uma terra generosa onde a bananeira, a laranjeira, o limoeiro florescem quase sem cultura, onde a miséria é aproximadamente desconhecida, onde a abastança vem recompensar os esforços de todos aqueles que consentem empregar suas mãos no trabalho (RECLUS, 1862, p.97).

Nota-se, portanto, que a propaganda realizada se apresentava de forma tão sedutora aos europeus ao ponto de fazê-los sonhar animadamente com um auspicioso futuro no Brasil. Em nossa análise, é justamente sobre esta sedução que os brasileiros Milton Nascimento e Fernando Brant discorrem através do poema “Sonho Imigrante”:

A terra do sonho é distante
e seu nome é Brasil
plantarei a minha vida
debaixo de céu anil.

Minha Itália, Alemanha
Minha Espanha, Portugal
talvez nunca mais eu veja
minha terra natal.

Aqui sou povo sofrido
lá eu serei fazendeiro
terei gado, terei sol.

O mar de lá é tão lindo
natureza generosa
que faz nascer sem espinho
o milagre da rosa.

O frio não é muito frio
nem o calor é muito quente
e falam que quem lá vive é maravilha de gente.

Conforme verificamos, os três autores mencionados no início deste texto versam sobre um mesmo sonho. Eles nos ajudam a refletir sobre como determinadas imagens e palavras aguçavam em alguns europeus a esperança de vivenciar dias mais prósperos. Diante dessa possibilidade, eles cogitavam deixar suas pátrias com a expectativa de se tornarem proprietários nas terras brasileiras. Ou seja, assim como o título do poema sugestiona, tratava-se de um sonho que estava relacionado ao movimento: ele nascia no território de um país europeu e se deslocava para o Brasil, tendo como transporte as mentes e os corações dos imigrantes.

Parecia ser um negócio irrecusável: trocar o sofrimento por uma porção de terra na qual jorraria uma riqueza sem tamanho. A dúvida pela certeza de uma vida plena de possibilidades. É difícil imaginar um pobre cultivador europeu que não desejasse ir para um país onde haveria fartura, temperaturas agradáveis e natureza generosa. Quem não gostaria de ir para o paraíso, não é mesmo?

Afinal, pelo que percebemos, os discursos e a iconografia utilizados para estimular a imigração contribuíam para esculpir uma visão paradisíaca do Brasil. Neste paraíso, além do deleite causado pela possibilidade de se obter uma propriedade, verificamos alguns dos outros encantadores atributos que deslumbrariam os europeus: o clima, os habitantes pacíficos e a fertilidade dos solos. Como averiguamos, a propaganda empreendida pelo governo brasileiro fazia ecoar na Europa notícias que davam conta da existência de um território agraciado por inúmeros e belos predicados. Por esses motivos, especulamos que as palavras e imagens utilizadas neste contexto contribuíam para converter o Brasil em um território da espera. Tratava-se de um território no qual eram projetados os anseios e ambições dos imigrantes. Portanto, quando usamos a palavra espera, nos referimos, principalmente, à esperança. A esperança de uma nova vida que floresceria sob o céu anil.

O embrião dessa nova vida parecia mesmo encontrar terreno fértil em um paraíso feito o Brasil. Isto, por si só, poderia tornar inevitável não desejar a mudança para um lugar tão afortunado. Mas além das gentis representações elaboradas em favor do « país de natureza generosa », devemos ainda nos lembrar de algumas perturbações que atingiram o Velho Continente em meados do século XIX – como os movimentos revolucionários de cunho liberal iniciados em 1848 (DIÉGUES JÚNIOR, 1964). Com efeito, não era de se espantar que homens e mulheres deixassem suas terras natais carregando pouco mais do que malas e sonhos.

Mas, ao chegar em solo brasileiro estes sonhos poderiam se transformar em realidade ou pesadelo. E, segundo análise de Reclus (1862), não era raro a segunda opção se efetivar. De acordo com ele, havia uma grande distância entre as imagens propagadas e a realidade. Os cultivadores europeus que deixavam seus países acalentando a certeza de se tornarem proprietários, descobriam essa distância quando de fato já estavam imersos em um verdadeiro infortúnio no qual as condições eram precárias e suas dívidas só aumentavam. Em outras palavras: as aspirações dos imigrantes se chocavam contra a realidade cujos rumos eram traçados, sobretudo, pelos interesses dos grandes proprietários brasileiros.

Acolhidos por um senhor suspeitoso que via neles um capital exposto às diversas condições de morte, doença ou deserção, esmagados de dívidas antes de terem cortado um único galho ou revolvido um torrão de terra, punham-se ao trabalho com a consciência de não trabalharem para si próprios […]. Logo as febres da aclimatação vinham assaltá-los; e se o sofrimento, somado à nostalgia e à novidade de sua situação, diminuía sua coragem, corriam fortemente o risco de perecer miseravelmente. (RECLUS, 1862, p.97-98)

Embora houvesse casos de imigrantes que fizeram fortuna no Brasil, existiam também experiências malsucedidas. A ilusão parecia estar travestida na forma de promessas. Em muitos casos não havia milagre e tampouco rosa. Em contrapartida, nesse admirável Mundo Novo sobravam espinhos. Talvez distante não fosse somente a « terra do sonho », mas, sobretudo, o próprio sonho.

Em muitas das situações os imigrantes não alcançavam o que tanto queriam: um pedaço de terra repleto de vacas, bois e porcos. E no fim das contas, devido às dificuldades que se avolumavam, a existência dos sonhadores estrangeiros simbolicamente os aproximava muito mais dos animais que eles desejavam adquirir do que dos fazendeiros que eles desejavam se tornar. A luta pela sobrevivência no novo e desconhecido país lhes impunha uma vida por diversas vezes amarga e marcada pela submissão. Uma vida de gado[2].

No entanto, indiferente dos desfechos das histórias, notamos que ao contemplarem a condição onírica associada aos imigrantes, Elisée Reclus, Milton Nascimento e Fernando Brant chamam atenção para uma relevante dimensão presente nos territórios da espera: a dimensão da esperança. Nesse feixe de ideias, se o imigrante está diretamente relacionado ao deslocamento, podemos inferir que o sonho é um dos componentes do motor que propulsiona este movimento[3].

 Higor Mozart

Notas

[1] Não é nosso objetivo abordar as motivações que fortaleceram os debates sobre imigração. Mas, entre outros aspectos, mencionamos a escassez de força-de-trabalho atrelada, sobretudo, pelo fim do tráfico transatlântico de escravos (1850). Mencionamos ainda a Lei de Terras (1850) e a existência de discursos que propunham o branqueamento da população. (LAZZARI, 1980). Para informações pormenorizadas consultar: LAZZARI, Beatriz Maria. Imigração e ideologia: reação do parlamento brasileiro à política de colonização e imigração. Porto Alegre: EST; Caxias do Sul: UCS, 1980.

[2] Utilizamos a expressão vida de gado em alusão à música Admirável Gado Novo, gravada em 1979 pelo cantor paraibano Zé Ramalho. O título de tal canção, por seu turno, evoca a obra Admirável Mundo Novo, de autoria do inglês Aldous Huxley, publicada em 1932. (HUXLEY, Aldous. Brave new world. New York: Harper Perennial Modern Classics, 1998; RAMALHO, Zé. Admirável Gado Novo. In: A peleja do Diabo com o dono do céu. Epic, Rio de Janeiro, 1979.)

[3] Conforme se verificou, este texto representou apenas uma tentativa para que fizéssemos uma reflexão inicial sobre algumas questões inerentes à propaganda imigratória. Tomamos como ponto de partida as considerações elaboradas por Reclus (1862) a respeito da imigração para as terras brasileiras em meados do século XIX. No entanto, sublinhamos que há outras tantas questões a serem abordadas e ângulos a serem visualizados, neste e em outros períodos.

 

Referências

DIÉGUES JÚNIOR, Manuel. Imigração, Urbanização, Industrialização. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura, 1964.

LAZZARI, Beatriz Maria. Imigração e ideologia: reação do parlamento brasileiro à política de colonização e imigração. Porto Alegre: EST; Caxias do Sul: UCS, 1980

NASCIMENTO, Milton e BRANT, Fernando. Sonho Imigrante. In: RIBEIRO, M. V.; ALENCAR, C.; CECCON, Claudius. Brasil Vivo: uma nova história da nossa gente. Rio de Janeiro: Vozes, 1988. p. 110.

RECLUS, Elysée. Le Brésil et la colonisation. Revue des Deux Mondes, 15 juin/15 juillet 1862.

 

 

 

 

 

 

Colóquio Internacional “Territórios da Espera: Sociedades, Mobilidades e Deslocamentos (5º encontro do ANR TERRIAT)

Colóquio Internacional Territórios da Espera: Sociedades, Mobilidades e Deslocamentos foi realizado entre os dias 10 a 14 de junho de 2013, nas cidades do Rio de Janeiro (RJ) e Viçosa (MG), por ocasião do 5º encontro do ANR TERRIAT. Este encontro se diferenciou dos anteriores por não contar apenas com a presença dos integrantes do mencionado projeto.

Nessa edição foram realizados dois convites. O primeiro deles destinado a alguns estudiosos que gentilmente aceitaram participar do evento na condição de debatedores. São eles: Fania Fridman (UFRJ), Ana Daou (UFRJ), Vincent Berdoulay (Univ. de Pau), Rafael Winter Ribeiro (UFRJ), Ulysses da Cunha Baggio (UFV) e Eduardo José Maia Pereira (UFV). Esse convite teve por objetivo possibilitar que os estudos desenvolvidos pelo grupo contassem com a apreciação, críticas e sugestões de membros externos.

O outro convite, por seu turno, foi direcionado a alguns pesquisadores que desenvolvem temáticas afins aos trabalhos realizados no âmbito do ANR TERRIAT. Dessa forma, a intenção era a de que eles apresentassem os resultados de suas investigações, buscando articulá-los aos territórios da espera. Nesse rol de convidados estavam: Letícia Parente (UFRJ), Thiago Rocha (UFRJ), Alex Gomes dos Prazeres (UFRJ), Everton Pereira da Silva (URFJ), Wagner Junior Souza de Andrade (UFRJ), Dayana Coêlho (UFV) e Higor Mozart (UFV).

 

O início das atividades: Rio de Janeiro (10 a 12 de junho)

 

Os trabalhos tiveram início na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), quando o professor Laurent Vidal apresentou 10 proposições que expressam como os territórios da espera são concebidos nos estudos elaborados pelo grupo – essas proposições, ainda em versão provisória, podem ser consultadas aqui. Logo em seguida, houve um momento em que os pesquisadores convidados exibiram suas análises sobre as propostas apresentadas por Laurent Vidal. A coordenação ficou sob a responsabilidade do professor Paulo Cesar da Costa Gomes (UFRJ). 

Momento de diálogo entre os presentes – 10/06/13 (UFRJ)
Momento de diálogo entre os presentes – 10/06/13 (UFRJ)

À tarde, iniciaram-se as conferências. Dominique Vidal apresentou uma reflexão sobre os desafios colocados para os sociólogos no que diz respeito às abordagens realizadas em torno dos territórios da espera. Já Maria Isabel de Jesus Chrysostomo discorreu sobre o trabalho – que desenvolve em parceria com Laurent Vidal – a respeito das primeiras estruturas existentes criadas para o abrigo temporário de imigrantes, tais como: barcos, armazéns e hospedarias. Thiago Rocha, por sua vez, apresentou suas considerações sobre as representações da espera na música nordestina. Raimundo Arrais (UFRN), em sua fala, demonstrou os pontos de contato entre os campos da seca no nordeste e a questão da espera. Por fim, a professora Letícia Parente e seus orientandos discutiram sobre como o trabalho dos ambulantes na Avenida Perimetral (RJ) poderia ser compreendido a partir dos territórios da espera.

A coordenação ficou sob a responsabilidade do professor Alain Musset (EHESS) e as atividades desse dia se encerram com um debate no qual os interessados realizaram comentários e/ou questionamentos endereçados aos conferencistas.

O dia seguinte, 11, foi reservado para a realização de dois trabalhos de campo. Pela manhã, sob a coordenação do professor Luiz Reznik (UERJ), o grupo conheceu o Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores, situado no lugar que antes abrigava a Hospedaria de Imigrantes Ilha das Flores (1879-1966), primeira hospedaria do Brasil com essa finalidade. Essa foi uma oportunidade para compreender algumas das particularidades de uma instituição que recebia imigrantes provenientes do porto do Rio de Janeiro. Tratava-se, portanto, de um área no qual os indivíduos, em deslocamento, aguardavam até que fossem destinado às fazendas. Com efeito, o grupo pode refletir sobre o funcionamento das hospedarias de imigrantes enquanto territórios da espera – temática discutida por Isabel Chrysostomo e Laurent Vidal.

Grupo acompanha as explicações sobre a história da Hospedaria de Imigrantes Ilha das Flores – 11/06/13
Grupo acompanha as explicações sobre a história da Hospedaria de Imigrantes Ilha das Flores – 11/06/13
Trabalho de Campo no Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores – 11/06/13
Trabalho de Campo no Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores – 11/06/13

Já na parte da tarde, a proposta gravitou em torno da observação da territorialidade dos ambulantes na Avenida Perimetral (RJ). Este trabalho foi coordenado pela professora Letícia Parente e conduzido por Alex Gomes dos Prazeres, Everton Pereira da Silva e Wagner Junior Souza de Andrade, estudantes de geografia da UFRJ. Na ocasião, foi possível observar algumas das estratégias utilizadas pelos ambulantes que vendem seus produtos (balas, água, biscoitos, etc), na avenida em supramencionada. Destaca-se que foi possível estabelecer um diálogo com alguns dos ambulantes que se encontravam na Avenida Perimetral, o que tornou a experiência mais fecunda e esclarecedora. Entre outras observações, a partir deste trabalho de campo foi possível identificar a existência de um certo vínculo entre duas esperas. Explica-se: com a finalidade de incrementarem suas vendas, os ambulantes aguardam pelo momento em que a espera dos motoristas se inicia. Em outras palavras: enquanto os motoristas esperam pela morte do engarrafamento, os ambulantes esperam pelo nascimento do mesmo.

Atividade de campo na Avenida Perimetral – 11/06/13
Atividade de campo na Avenida Perimetral – 11/06/13
Alguns dos produtos vendidos pelos ambulantes – 11/06/13
Alguns dos produtos vendidos pelos ambulantes – 11/06/13

 

É hora de viajar (e de vivenciar a espera): Viçosa (12 a 14 de junho)

 

Do Rio de Janeiro a Viçosa: foi este o trajeto que o grupo realizou pela manhã e em boa parte da tarde do dia 12. Foram aproximadamente 7 horas em deslocamento, em condição de espera. Ironicamente, a espera no ônibus durou mais do que o previsto.

Na parte da noite, já na Universidade Federal de Viçosa, as atividades foram iniciadas pela conferência de abertura realizada por Alain Musset (EHESS), intitulada: “Habitar os territórios da espera: uma dimensão esquecida da Geografia Social?”. Na oportunidade, o professor teceu reflexões com a finalidade de reunir elementos que ajudassem a responder essa indagação. Entre os exemplos mencionados, ele se debruçou sobre as espera vivenciada pelos ambulantes na Cidade do México. O professor Paulo Cesar da Costa Gomes (UFRJ), prossegui o debate e, entre outras questões, trouxe à tona os seguintes temas: a espera nos espaços públicos e a espetacularização da espera.  Em seguida passou-se a palavra para os dois debatedores da noite: Ulysses da Cunha Baggio e Eduardo José Pereira Maia. Ambos teceram suas reflexões e dirigiram importantes contribuições aos trabalhos apresentados.

Mesa de Abertura – 12/06/13
Mesa de Abertura (UFV) – 12/06/13
Participantes acompanham as apresentações – 12/06/13
Participantes acompanham as apresentações (UFV) – 12/06/13

No dia seguinte, pela manhã, foram realizados dois trabalhos de campo. O primeiro deles, em Nova Viçosa, um bairro da periferia da cidade. Sob a condução de Dayana Coêlho e coordenação de Isabel Chrysostomo e do professor Laurent Vidal, discutiu-se sobre como o nascimento e o desenvolvimento desta periferia dialogam com a questão da espera.

Trabalho de campo em Nova Viçosa – 13/06/13
Trabalho de campo em Nova Viçosa – 13/06/13

De Nova Viçosa, o grupo se dirigiu para o Buieié, uma área quilombola da cidade. Neste trabalho – conduzido pelas professoras Isabel Chrysostomo, Janete Regina de Oliveira (UFV) e por Higor Mozart – travou-se uma discussão centrada nos seguintes itens: formação dos quilombos da região; gênese da comunidade quilombola do Buieié; luta pelo reconhecimento do território quilombola. Com isto, buscou-se refletir em que medida a dimensão da espera estaria presente na história da área em foco.

Trabalho de campo no Buieié – 13/06/13
Trabalho de campo no Buieié – 13/06/13

Já no período noturno, houve o lançamento de livros e os autores fizeram um breve comentário sobre as suas obras. O professor Laurent teceu alguns comentários sobre As Lágrimas do Rio – Os últimos dias de uma capital; Paulo Cesar da Costa Gomes, por sua vez, apresentou sua obra O lugar do Olhar – Elementos para uma Geografia da Visibilidade; já a professora Fraya Frehse discorreu sobre o livro Ô da Rua – O Transeunte e o Advento da Modernidade em São Paulo.

Após este momento, em sua conferência, Fraya Frehse refletiu sobre como os territórios da espera podem ser visualizados na rua, tendo como ponto de partida a cidade de São Paulo.  Em seguida, Grégory Beriet conduziu sua exposição tecendo uma diálogo entre a espera e a problemática dos corpos em situação de quarentena.  Higor Mozart, por sua vez, apresentou algumas considerações sobre como a questão da espera e da esperança estaria presente nos discursos associados à Política de Imigração e Colonização em Minas Gerais no final do século XIX.  Por fim, Dayana Coêlho pontuou sobre os distintos usos, escalas e temporalidades da espera a partir do bairro Nova Viçosa.

Mesa de encerramento do evento – 13/06/13
Mesa de encerramento do evento (UFV) – 13/06/13

Após as três falas, abriu-se espaço que os presentes fizessem suas reflexões e indagações. Por fim, coube ao professor Laurent Vidal encerrar o evento. Em sua fala ele agradeceu aos participantes e destacou que o colóquio se constitui em um momento profícuo de interlocução entre diferentes ideias.

No dia 14, chegou a hora de fazer o caminho inverso: de Viçosa ao Rio de Janeiro. A bagagem estava mais cheia do que antes! Cheia de informações, pois este foi um encontro em que as pesquisas do grupo se fortaleceram mediante críticas, questionamentos e reflexões elaborados pelos membros internos e externos. Foram contribuições de peso, definitivamente. 

Foto do grupo reunido em Viçosa (MG)
Grupo reunido em Viçosa (MG)

Higor Mozart e Dayana Coêlho.

 

 

Atelier « Ecrire les territoires de l’attente » 22-23 juillet 2013 (Congrès de l’Association Internationale de Littérature Comparée)

Dans le cadre du Congrès de l’AILC- ICLA, Paris, 18 au 24 juillet 2013, Micéala Symington et Laurent Vidal coordonnent un atelier intitulé : « écrire les territoires de l’attente » . Il se tiendra, au 108, Bd Malhesberbe (75017 Paris).

Le programme général du congrès est en ligne : http://www.paris-sorbonne.fr/IMG/pdf/AILC_programme.pdf

Le programme de l’atelier est le suivant :

 

22 July 2013, 9am ; 22 juillet 2013, 9h

Introduction

– Micéala Symington et Laurent Vidal, Nr: #1124, « Introduction : Ecrire les territoires de l’attente »

1. Frontières et traversées : l’écriture des middle passages (coordinateur : Laurent Vidal)

–        Jonathan Hart, University of Alberta, Nr: #1782 , « Boundaries, Borders and Liminal Spaces »

–        Jean Bessière, Université de la Sorbonne Nouvelle-Paris 3, « La chaîne des territoires de l’attente — thématique du territoire de l’attente et réseau de récits et de témoignages: vers une écriture globale – Driss Chraïïbi, Nabokov, Mabanckou, Ying Chen, Edwige Danticat, García Canclini N, Diana Abu-Jaber »

–        Maria Luiza Berwanger da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Nr # 2262, « Le Territoire de l´Enfant dans la Littérature et Culture Brésiliennes »

 

22 July 2013, 1.30pm ; 22 juillet 2013, 13h30

2. L’aéroport, ou des formes (post-)modernes de l’attente (coordinateur : David Damrosh) 

– Erica Durante, Université Catholique de Louvain, Nr: #227, « Le Roman d’aéroport comme un récit du temps multiple »

– Ana Filipa Prata, Universidade de Lisboa, Nr #772, « Une journée à l’aéroport: Le Voyage au Portugal, de Sérgio Tréfaut »

– John Boening, University of Todedo (USA), Nr #1025,  « Excavating the PrePostmodern Waiting Space: Towards a Literary Archeology of the Airport »

 

23 July 2013, 9am ; 23 juillet 2013, 9h

3. Écrire le confinement en attente (coordinatrice : Micéala Symington)

– Evelyn Cobley, University of Victoria (Canada), Nr # 712, « Territories, Social Engineering, and Efficiency: The Case of Auschwitz »

–   Marianna Daganutti, University of Oxford, Nr #2215 « The disruptive narrative of Marisa Madieri and David Grossman’s refugee camps »

–   Fiona McIntosh-Varjabédian, Université de Lille 3, Nr: #1918, « Champs de batailles et terres gastes/Battle Fields as wastelands »

 

23 July 2013, 1.30pm ; 23 juillet 2013, 13h30

4. Représentation des territoires de l’attente (Coordinateur : Jean Bessière)

 – Au Chung To, Hong Kong Institute of Education, Nr # 1966, « The Borrowed Time and Space: A Study of temporality and spatiality in Hong Kong modern fiction before 1997 »

– Joanny Moulin, Université d’Aix-Marseille, Nr: #1924, « Entre histoire et littérature: les lieux de la biographie »

– Laurent Vidal (Univ. de La Rochelle) et Maria Isabel de Jesus Chrysostomo (Univ. Federale de Viçosa, Brésil), Nr: #208 « Musique et territoires de l’attente dans la littérature – de quelques hypothèses de travail »