Da esperança e suas ilusões

O que há em comum entre Élisée Reclus, Milton Nascimento e Fernando Brant? A nosso ver, uma das respostas possíveis passa pelo imaginário criado em torno da imigração para as terras brasileiras. Sendo assim, na tentativa de conferir sustentação a este argumento, iniciaremos o debate a partir das considerações de Reclus (1862). Em sua obra “O Brasil e a Colonização”, o geógrafo francês demonstra que, em meados do século XIX, o imigrante era visto por muitos políticos brasileiros como uma força-de-trabalho imprescindível na promoção do desenvolvimento econômico do país[1]Não por acaso, a propaganda imigrantista era um dos recursos mobilizados na tentativa de atrair tais trabalhadores. 

Segundo o autor, os agentes recrutadores enviados a Europa desempenhavam um importante papel persuasivo:

Suas circulares, suas brochuras, disseminadas em profusão, faziam brilhar nos olhos dos cultivadores oprimidos pela necessidade a perspectiva de uma terra generosa onde a bananeira, a laranjeira, o limoeiro florescem quase sem cultura, onde a miséria é aproximadamente desconhecida, onde a abastança vem recompensar os esforços de todos aqueles que consentem empregar suas mãos no trabalho (RECLUS, 1862, p.97).

Nota-se, portanto, que a propaganda realizada se apresentava de forma tão sedutora aos europeus ao ponto de fazê-los sonhar animadamente com um auspicioso futuro no Brasil. Em nossa análise, é justamente sobre esta sedução que os brasileiros Milton Nascimento e Fernando Brant discorrem através do poema “Sonho Imigrante”:

A terra do sonho é distante
e seu nome é Brasil
plantarei a minha vida
debaixo de céu anil.

Minha Itália, Alemanha
Minha Espanha, Portugal
talvez nunca mais eu veja
minha terra natal.

Aqui sou povo sofrido
lá eu serei fazendeiro
terei gado, terei sol.

O mar de lá é tão lindo
natureza generosa
que faz nascer sem espinho
o milagre da rosa.

O frio não é muito frio
nem o calor é muito quente
e falam que quem lá vive é maravilha de gente.

Conforme verificamos, os três autores mencionados no início deste texto versam sobre um mesmo sonho. Eles nos ajudam a refletir sobre como determinadas imagens e palavras aguçavam em alguns europeus a esperança de vivenciar dias mais prósperos. Diante dessa possibilidade, eles cogitavam deixar suas pátrias com a expectativa de se tornarem proprietários nas terras brasileiras. Ou seja, assim como o título do poema sugestiona, tratava-se de um sonho que estava relacionado ao movimento: ele nascia no território de um país europeu e se deslocava para o Brasil, tendo como transporte as mentes e os corações dos imigrantes.

Parecia ser um negócio irrecusável: trocar o sofrimento por uma porção de terra na qual jorraria uma riqueza sem tamanho. A dúvida pela certeza de uma vida plena de possibilidades. É difícil imaginar um pobre cultivador europeu que não desejasse ir para um país onde haveria fartura, temperaturas agradáveis e natureza generosa. Quem não gostaria de ir para o paraíso, não é mesmo?

Afinal, pelo que percebemos, os discursos e a iconografia utilizados para estimular a imigração contribuíam para esculpir uma visão paradisíaca do Brasil. Neste paraíso, além do deleite causado pela possibilidade de se obter uma propriedade, verificamos alguns dos outros encantadores atributos que deslumbrariam os europeus: o clima, os habitantes pacíficos e a fertilidade dos solos. Como averiguamos, a propaganda empreendida pelo governo brasileiro fazia ecoar na Europa notícias que davam conta da existência de um território agraciado por inúmeros e belos predicados. Por esses motivos, especulamos que as palavras e imagens utilizadas neste contexto contribuíam para converter o Brasil em um território da espera. Tratava-se de um território no qual eram projetados os anseios e ambições dos imigrantes. Portanto, quando usamos a palavra espera, nos referimos, principalmente, à esperança. A esperança de uma nova vida que floresceria sob o céu anil.

O embrião dessa nova vida parecia mesmo encontrar terreno fértil em um paraíso feito o Brasil. Isto, por si só, poderia tornar inevitável não desejar a mudança para um lugar tão afortunado. Mas além das gentis representações elaboradas em favor do « país de natureza generosa », devemos ainda nos lembrar de algumas perturbações que atingiram o Velho Continente em meados do século XIX – como os movimentos revolucionários de cunho liberal iniciados em 1848 (DIÉGUES JÚNIOR, 1964). Com efeito, não era de se espantar que homens e mulheres deixassem suas terras natais carregando pouco mais do que malas e sonhos.

Mas, ao chegar em solo brasileiro estes sonhos poderiam se transformar em realidade ou pesadelo. E, segundo análise de Reclus (1862), não era raro a segunda opção se efetivar. De acordo com ele, havia uma grande distância entre as imagens propagadas e a realidade. Os cultivadores europeus que deixavam seus países acalentando a certeza de se tornarem proprietários, descobriam essa distância quando de fato já estavam imersos em um verdadeiro infortúnio no qual as condições eram precárias e suas dívidas só aumentavam. Em outras palavras: as aspirações dos imigrantes se chocavam contra a realidade cujos rumos eram traçados, sobretudo, pelos interesses dos grandes proprietários brasileiros.

Acolhidos por um senhor suspeitoso que via neles um capital exposto às diversas condições de morte, doença ou deserção, esmagados de dívidas antes de terem cortado um único galho ou revolvido um torrão de terra, punham-se ao trabalho com a consciência de não trabalharem para si próprios […]. Logo as febres da aclimatação vinham assaltá-los; e se o sofrimento, somado à nostalgia e à novidade de sua situação, diminuía sua coragem, corriam fortemente o risco de perecer miseravelmente. (RECLUS, 1862, p.97-98)

Embora houvesse casos de imigrantes que fizeram fortuna no Brasil, existiam também experiências malsucedidas. A ilusão parecia estar travestida na forma de promessas. Em muitos casos não havia milagre e tampouco rosa. Em contrapartida, nesse admirável Mundo Novo sobravam espinhos. Talvez distante não fosse somente a « terra do sonho », mas, sobretudo, o próprio sonho.

Em muitas das situações os imigrantes não alcançavam o que tanto queriam: um pedaço de terra repleto de vacas, bois e porcos. E no fim das contas, devido às dificuldades que se avolumavam, a existência dos sonhadores estrangeiros simbolicamente os aproximava muito mais dos animais que eles desejavam adquirir do que dos fazendeiros que eles desejavam se tornar. A luta pela sobrevivência no novo e desconhecido país lhes impunha uma vida por diversas vezes amarga e marcada pela submissão. Uma vida de gado[2].

No entanto, indiferente dos desfechos das histórias, notamos que ao contemplarem a condição onírica associada aos imigrantes, Elisée Reclus, Milton Nascimento e Fernando Brant chamam atenção para uma relevante dimensão presente nos territórios da espera: a dimensão da esperança. Nesse feixe de ideias, se o imigrante está diretamente relacionado ao deslocamento, podemos inferir que o sonho é um dos componentes do motor que propulsiona este movimento[3].

 Higor Mozart

Notas

[1] Não é nosso objetivo abordar as motivações que fortaleceram os debates sobre imigração. Mas, entre outros aspectos, mencionamos a escassez de força-de-trabalho atrelada, sobretudo, pelo fim do tráfico transatlântico de escravos (1850). Mencionamos ainda a Lei de Terras (1850) e a existência de discursos que propunham o branqueamento da população. (LAZZARI, 1980). Para informações pormenorizadas consultar: LAZZARI, Beatriz Maria. Imigração e ideologia: reação do parlamento brasileiro à política de colonização e imigração. Porto Alegre: EST; Caxias do Sul: UCS, 1980.

[2] Utilizamos a expressão vida de gado em alusão à música Admirável Gado Novo, gravada em 1979 pelo cantor paraibano Zé Ramalho. O título de tal canção, por seu turno, evoca a obra Admirável Mundo Novo, de autoria do inglês Aldous Huxley, publicada em 1932. (HUXLEY, Aldous. Brave new world. New York: Harper Perennial Modern Classics, 1998; RAMALHO, Zé. Admirável Gado Novo. In: A peleja do Diabo com o dono do céu. Epic, Rio de Janeiro, 1979.)

[3] Conforme se verificou, este texto representou apenas uma tentativa para que fizéssemos uma reflexão inicial sobre algumas questões inerentes à propaganda imigratória. Tomamos como ponto de partida as considerações elaboradas por Reclus (1862) a respeito da imigração para as terras brasileiras em meados do século XIX. No entanto, sublinhamos que há outras tantas questões a serem abordadas e ângulos a serem visualizados, neste e em outros períodos.

 

Referências

DIÉGUES JÚNIOR, Manuel. Imigração, Urbanização, Industrialização. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura, 1964.

LAZZARI, Beatriz Maria. Imigração e ideologia: reação do parlamento brasileiro à política de colonização e imigração. Porto Alegre: EST; Caxias do Sul: UCS, 1980

NASCIMENTO, Milton e BRANT, Fernando. Sonho Imigrante. In: RIBEIRO, M. V.; ALENCAR, C.; CECCON, Claudius. Brasil Vivo: uma nova história da nossa gente. Rio de Janeiro: Vozes, 1988. p. 110.

RECLUS, Elysée. Le Brésil et la colonisation. Revue des Deux Mondes, 15 juin/15 juillet 1862.

 

 

 

 

 

 


Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *