Colóquio Internacional “Territórios da Espera: Sociedades, Mobilidades e Deslocamentos (5º encontro do ANR TERRIAT)

Colóquio Internacional Territórios da Espera: Sociedades, Mobilidades e Deslocamentos foi realizado entre os dias 10 a 14 de junho de 2013, nas cidades do Rio de Janeiro (RJ) e Viçosa (MG), por ocasião do 5º encontro do ANR TERRIAT. Este encontro se diferenciou dos anteriores por não contar apenas com a presença dos integrantes do mencionado projeto.

Nessa edição foram realizados dois convites. O primeiro deles destinado a alguns estudiosos que gentilmente aceitaram participar do evento na condição de debatedores. São eles: Fania Fridman (UFRJ), Ana Daou (UFRJ), Vincent Berdoulay (Univ. de Pau), Rafael Winter Ribeiro (UFRJ), Ulysses da Cunha Baggio (UFV) e Eduardo José Maia Pereira (UFV). Esse convite teve por objetivo possibilitar que os estudos desenvolvidos pelo grupo contassem com a apreciação, críticas e sugestões de membros externos.

O outro convite, por seu turno, foi direcionado a alguns pesquisadores que desenvolvem temáticas afins aos trabalhos realizados no âmbito do ANR TERRIAT. Dessa forma, a intenção era a de que eles apresentassem os resultados de suas investigações, buscando articulá-los aos territórios da espera. Nesse rol de convidados estavam: Letícia Parente (UFRJ), Thiago Rocha (UFRJ), Alex Gomes dos Prazeres (UFRJ), Everton Pereira da Silva (URFJ), Wagner Junior Souza de Andrade (UFRJ), Dayana Coêlho (UFV) e Higor Mozart (UFV).

 

O início das atividades: Rio de Janeiro (10 a 12 de junho)

 

Os trabalhos tiveram início na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), quando o professor Laurent Vidal apresentou 10 proposições que expressam como os territórios da espera são concebidos nos estudos elaborados pelo grupo – essas proposições, ainda em versão provisória, podem ser consultadas aqui. Logo em seguida, houve um momento em que os pesquisadores convidados exibiram suas análises sobre as propostas apresentadas por Laurent Vidal. A coordenação ficou sob a responsabilidade do professor Paulo Cesar da Costa Gomes (UFRJ). 

Momento de diálogo entre os presentes – 10/06/13 (UFRJ)
Momento de diálogo entre os presentes – 10/06/13 (UFRJ)

À tarde, iniciaram-se as conferências. Dominique Vidal apresentou uma reflexão sobre os desafios colocados para os sociólogos no que diz respeito às abordagens realizadas em torno dos territórios da espera. Já Maria Isabel de Jesus Chrysostomo discorreu sobre o trabalho – que desenvolve em parceria com Laurent Vidal – a respeito das primeiras estruturas existentes criadas para o abrigo temporário de imigrantes, tais como: barcos, armazéns e hospedarias. Thiago Rocha, por sua vez, apresentou suas considerações sobre as representações da espera na música nordestina. Raimundo Arrais (UFRN), em sua fala, demonstrou os pontos de contato entre os campos da seca no nordeste e a questão da espera. Por fim, a professora Letícia Parente e seus orientandos discutiram sobre como o trabalho dos ambulantes na Avenida Perimetral (RJ) poderia ser compreendido a partir dos territórios da espera.

A coordenação ficou sob a responsabilidade do professor Alain Musset (EHESS) e as atividades desse dia se encerram com um debate no qual os interessados realizaram comentários e/ou questionamentos endereçados aos conferencistas.

O dia seguinte, 11, foi reservado para a realização de dois trabalhos de campo. Pela manhã, sob a coordenação do professor Luiz Reznik (UERJ), o grupo conheceu o Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores, situado no lugar que antes abrigava a Hospedaria de Imigrantes Ilha das Flores (1879-1966), primeira hospedaria do Brasil com essa finalidade. Essa foi uma oportunidade para compreender algumas das particularidades de uma instituição que recebia imigrantes provenientes do porto do Rio de Janeiro. Tratava-se, portanto, de um área no qual os indivíduos, em deslocamento, aguardavam até que fossem destinado às fazendas. Com efeito, o grupo pode refletir sobre o funcionamento das hospedarias de imigrantes enquanto territórios da espera – temática discutida por Isabel Chrysostomo e Laurent Vidal.

Grupo acompanha as explicações sobre a história da Hospedaria de Imigrantes Ilha das Flores – 11/06/13
Grupo acompanha as explicações sobre a história da Hospedaria de Imigrantes Ilha das Flores – 11/06/13
Trabalho de Campo no Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores – 11/06/13
Trabalho de Campo no Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores – 11/06/13

Já na parte da tarde, a proposta gravitou em torno da observação da territorialidade dos ambulantes na Avenida Perimetral (RJ). Este trabalho foi coordenado pela professora Letícia Parente e conduzido por Alex Gomes dos Prazeres, Everton Pereira da Silva e Wagner Junior Souza de Andrade, estudantes de geografia da UFRJ. Na ocasião, foi possível observar algumas das estratégias utilizadas pelos ambulantes que vendem seus produtos (balas, água, biscoitos, etc), na avenida em supramencionada. Destaca-se que foi possível estabelecer um diálogo com alguns dos ambulantes que se encontravam na Avenida Perimetral, o que tornou a experiência mais fecunda e esclarecedora. Entre outras observações, a partir deste trabalho de campo foi possível identificar a existência de um certo vínculo entre duas esperas. Explica-se: com a finalidade de incrementarem suas vendas, os ambulantes aguardam pelo momento em que a espera dos motoristas se inicia. Em outras palavras: enquanto os motoristas esperam pela morte do engarrafamento, os ambulantes esperam pelo nascimento do mesmo.

Atividade de campo na Avenida Perimetral – 11/06/13
Atividade de campo na Avenida Perimetral – 11/06/13
Alguns dos produtos vendidos pelos ambulantes – 11/06/13
Alguns dos produtos vendidos pelos ambulantes – 11/06/13

 

É hora de viajar (e de vivenciar a espera): Viçosa (12 a 14 de junho)

 

Do Rio de Janeiro a Viçosa: foi este o trajeto que o grupo realizou pela manhã e em boa parte da tarde do dia 12. Foram aproximadamente 7 horas em deslocamento, em condição de espera. Ironicamente, a espera no ônibus durou mais do que o previsto.

Na parte da noite, já na Universidade Federal de Viçosa, as atividades foram iniciadas pela conferência de abertura realizada por Alain Musset (EHESS), intitulada: “Habitar os territórios da espera: uma dimensão esquecida da Geografia Social?”. Na oportunidade, o professor teceu reflexões com a finalidade de reunir elementos que ajudassem a responder essa indagação. Entre os exemplos mencionados, ele se debruçou sobre as espera vivenciada pelos ambulantes na Cidade do México. O professor Paulo Cesar da Costa Gomes (UFRJ), prossegui o debate e, entre outras questões, trouxe à tona os seguintes temas: a espera nos espaços públicos e a espetacularização da espera.  Em seguida passou-se a palavra para os dois debatedores da noite: Ulysses da Cunha Baggio e Eduardo José Pereira Maia. Ambos teceram suas reflexões e dirigiram importantes contribuições aos trabalhos apresentados.

Mesa de Abertura – 12/06/13
Mesa de Abertura (UFV) – 12/06/13
Participantes acompanham as apresentações – 12/06/13
Participantes acompanham as apresentações (UFV) – 12/06/13

No dia seguinte, pela manhã, foram realizados dois trabalhos de campo. O primeiro deles, em Nova Viçosa, um bairro da periferia da cidade. Sob a condução de Dayana Coêlho e coordenação de Isabel Chrysostomo e do professor Laurent Vidal, discutiu-se sobre como o nascimento e o desenvolvimento desta periferia dialogam com a questão da espera.

Trabalho de campo em Nova Viçosa – 13/06/13
Trabalho de campo em Nova Viçosa – 13/06/13

De Nova Viçosa, o grupo se dirigiu para o Buieié, uma área quilombola da cidade. Neste trabalho – conduzido pelas professoras Isabel Chrysostomo, Janete Regina de Oliveira (UFV) e por Higor Mozart – travou-se uma discussão centrada nos seguintes itens: formação dos quilombos da região; gênese da comunidade quilombola do Buieié; luta pelo reconhecimento do território quilombola. Com isto, buscou-se refletir em que medida a dimensão da espera estaria presente na história da área em foco.

Trabalho de campo no Buieié – 13/06/13
Trabalho de campo no Buieié – 13/06/13

Já no período noturno, houve o lançamento de livros e os autores fizeram um breve comentário sobre as suas obras. O professor Laurent teceu alguns comentários sobre As Lágrimas do Rio – Os últimos dias de uma capital; Paulo Cesar da Costa Gomes, por sua vez, apresentou sua obra O lugar do Olhar – Elementos para uma Geografia da Visibilidade; já a professora Fraya Frehse discorreu sobre o livro Ô da Rua – O Transeunte e o Advento da Modernidade em São Paulo.

Após este momento, em sua conferência, Fraya Frehse refletiu sobre como os territórios da espera podem ser visualizados na rua, tendo como ponto de partida a cidade de São Paulo.  Em seguida, Grégory Beriet conduziu sua exposição tecendo uma diálogo entre a espera e a problemática dos corpos em situação de quarentena.  Higor Mozart, por sua vez, apresentou algumas considerações sobre como a questão da espera e da esperança estaria presente nos discursos associados à Política de Imigração e Colonização em Minas Gerais no final do século XIX.  Por fim, Dayana Coêlho pontuou sobre os distintos usos, escalas e temporalidades da espera a partir do bairro Nova Viçosa.

Mesa de encerramento do evento – 13/06/13
Mesa de encerramento do evento (UFV) – 13/06/13

Após as três falas, abriu-se espaço que os presentes fizessem suas reflexões e indagações. Por fim, coube ao professor Laurent Vidal encerrar o evento. Em sua fala ele agradeceu aos participantes e destacou que o colóquio se constitui em um momento profícuo de interlocução entre diferentes ideias.

No dia 14, chegou a hora de fazer o caminho inverso: de Viçosa ao Rio de Janeiro. A bagagem estava mais cheia do que antes! Cheia de informações, pois este foi um encontro em que as pesquisas do grupo se fortaleceram mediante críticas, questionamentos e reflexões elaborados pelos membros internos e externos. Foram contribuições de peso, definitivamente. 

Foto do grupo reunido em Viçosa (MG)
Grupo reunido em Viçosa (MG)

Higor Mozart e Dayana Coêlho.

 

 


Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *